03 01
Reflexão

Um ano pra recomeçar

Por Diana Monteiro

Como a palavra ‘recomeçar’ me conforta… Adoro!
Depois de um ano bem difícil, posso dizer com convicção que até minha respiração está melhor. Um peso gigante saiu de cima de mim e depois de muito refletir, cheguei a seguinte conclusão: sem metas pra 2017! Apenas objetivos!

Objetivo é a descrição de algo que se pretende alcançar. Meta é a definição em termos quantitativos, com um prazo determinado. Por isso, traçar regras e listas limitadas com prazos curtos, está fora de questão. Claro que isso não se encaixa ao meu trabalho diário, não tenho como fugir disso no meu ganha pão, falo do meu lado pessoal. Meu objetivo é fazer o que me deixa feliz, andar e ter companhia de quem eu quiser, não aceitar cobranças egoístas sem sentido e o mais importante, respeitar minhas limitações e sempre tirar um tempo pra mim. Afinal, se eu não tiver bem e centrada comigo mesma, como estarei com quem tiver ao meu redor? A gente ouve de tantos lados o que devemos ou não fazer, são tantos dedos apontando que chega um momento que você precisa dar um basta. Como isso cansa…

Ano passado foi um teste e tanto! Além de grandes perdas e diversos problemas, escolhi me distanciar de pessoas e coisas que não estavam me fazendo bem e, embora tenha ficado incomodada no começo, vi que essa mudança foi extremamente necessária. Ouvir (mais de uma vez) de pessoas próximas, tanto amigos quanto familiares que você não estava fazendo e agindo da maneira que deveria, soou como um alerta pra mim. Me magoei profundamente e resolvi deixar a pouca passividade que ainda tinha na minha personalidade no chão. Digo com orgulho que isso não faz mais parte de mim. Podem falar que tenho gênio forte, mas aprendi que tenho o total direito de sempre falar e rebater o que eu desejar (se for algo direcionado a mim, obviamente). A verdade é que ninguém vai agir da forma você quer, a sociedade e o mundo não funcionam dessa forma, simples assim. Ter o respeito dos seus ‘nãos’ também é importante, assim como a escolha de não querer, por determinado momento, a companhia de alguém. É libertador, ainda mais quando você começa a entender e ver que algumas relações que teve no passado foram abusivas, precisando trabalhar de todas as formas seu jeito de lidar com as pessoas e o mundo, pra não se permitir estar em situações similares novamente.

Eu não acredito em horas certas, em frases como “tinha que ser”, “estava escrito nas estrelas” e na sorte. Acredito que tudo o que a gente escolhe e faz, tem consequências. Não tenho religião mas sei da existência dos inúmeros mistérios que o universo possui. Por isso, acredito na relação bomerang, que pra mim nada mais é do que receber aquilo que deu. Fazer o bem é o meu principal lema, e pra 2017, focarei em mim. Decidir ser feliz é uma tarefa difícil, pois você acaba se predestinando a deixar os seus medos e anseios de lado. E pra uma pessoa com histórico brabo de síndrome do pânico e ansiedade crônica, é quase impossível. Quase. Por isso, por que não tentar? Dessa vez eu não vou sobreviver mais um ano, eu vou viver!

Vem com tudo 2017, estou pronta pra você!



Deixe seu comentário


2 comentários

@maisondadi no instagram