31 12
Moda / Reflexão

Adeus, 2017, seu lindo!

Por Diana Monteiro

Pela primeira vez em 4 anos a minha foto de fim de ano não será mandando um dedo… ou dois… Mesmo cheia de saudade, com momentos difíceis de reflexão e tristeza pelas perdas recentes, posso dizer que 2017 foi um ano ótimo, cheio de aprendizado, realizações de sonhos e escolhas! Por isso o post de hoje será bem randômico, como uma pequena retrospectiva, um delicioso desabafo.

Conheci o meu novo ‘eu’ e não poderia estar mais feliz com isso e agradecida pelos últimos 12 meses. Em vez de me acomodar com o trabalho que vinha fazendo nos últimos anos, resolvi acreditar em mim e apostei 100% em uma nova profissão que vinha fazendo como hobby, conseguindo me desvincular da antiga, mesmo passando um leve perrengue nos primeiros meses. o #ILoveMyJob é real.

Consegui relacionamentos com grandes e pequenas empresas e clientes, tive o incentivo do marido e hoje sorrio de orelha a orelha ao ver a quantidade de material e conteúdo que produzi. Pela primeira vez em muito tempo posso dizer que fiquei orgulhosa de mim. E tenho que admitir, que sentimento curioso, bom, mas um tanto surpreendente!

Trabalhei, trabalhei e trabalhei até chorar de cansaço. Perdi a conta de quantas noites passei em claro, das vezes que tive crises na coluna e claro, da estafa. É a consequência de abraçar todas as oportunidades e trabalhos que apareceram. Além de aceitar prazos que até então achava absurdos. Não poderia estar mais feliz.

O resultado disso tudo? A maior satisfação que tive nos últimos anos, uma paz interior sem igual. Enquanto aguentava críticas e julgamentos de pessoas que achavam que eu estava ‘trabalhando demais’, só pensava no que isso tudo estava me fornecendo e embora alguns achassem mais interessante ir beber no bar da esquina, sempre soube que conseguiria realizar sonhos e me sentir completa se eu seguisse e me esforçasse ao máximo no trabalho. E não é que minha intuição estava certa? Claro que a minha hiperativade pode ajudar no exagero, elevando meu nível de workaholic um pouco além do aceitável, mas eu tinha um foco. Foquei, segui e consegui.

Sendo mulher, um dos meus maiores desejos sempre foi ser independente, principalmente na questão financeira e, por mais que eu divida as contas com o marido, conseguir realizar isso sem estresse, atualmente, superou minhas expectativas. Claro que não sabemos o futuro e amanhã tudo pode mudar, mas sempre farei de tudo ao meu alcance pra conseguir continuar no trilho e quem sabe, prosperar mais.

Realizei o sonho de ir a França com o Rica. Estar lá e explorar a cidade luz e seus arredores foi indescritível e por mais que eu tenha me emocionado diversas vezes na viagem, nada bate quando vi ele respirar e sorrir em frente pro Rio Sena enquanto tomávamos um delicioso vinho.

Enfrentar medos e as crises de pânico foi um dos momentos mais gostosos do ano, pois foi quando vi que sou capaz. Curtimos as férias como nunca, me permiti sentir e ter novas experiências. E agora não quero parar. Não posso parar. Por crenças pessoais, necessito viver da forma que desejo e aproveitar ao máximo. Tudo passa tão rápido…

Reformamos mais um cômodo da casa com o nosso esforço e trabalho. E sentir isso é tão bom! Não pedir nada a ninguém, conseguir andar sob as próprias pernas e fazer as dívidas que você pode arcar. Aceitar a realidade e viver a vida que você pode e consegue no momento. É maravilhoso chegar em casa e ela estar do jeitinho que montou, de forma aconhegante e acolhedora.

Tive momentos maravilhosos com minhas amigas. Uma vez que você vê e entende a merda da sociedade machista que você vive, não há como tampar os olhos pra realidade, não tem caminho de volta. Tenho orgulho de ser feminista, de ouvir e aprender com as amigas, conhecidas e mulheres inspiradoras que sigo, que a luta é de todas nós. Cada dia aprendo algo novo e pratico a sororidade. Para as amigas próximas e irmãs que a vida me deu, obrigada por tudo!

Estar com quem desejo estar, não fazer programas por obrigação e não agir seguindo regras estúpidas impostas por pessoas que se acham no direito de mandar e julgar. É tão libertador! Quando você entende que você tem livre arbítrio e o poder da escolha, o mundo fica colorido. Sério, vejo um arco-íris sem fim e ficar livre desse peso é algo que aconselho a todos. Se fizer terapia então, melhor ainda!

Um ano de novas visões, de múltiplas experiências, de sonhos realizados, de ousadia e de muito trabalho!
E claro, repleto de amor e cores porque né, se não transformamos nossas vidas em festa, não tem graça!

Obrigada, 2017!
Vem com tudo, 2018!

bjs e até o ano que vem,

Di.

 



Deixe seu comentário


Nenhum comentário

@maisondadi no instagram