02 05
Fotografia / Moda / Reflexão

Posei pra Luiza Potiens | #ProjetoMeninaFlor

Por Diana Monteiro

Chega de férias, né? Depois de curtir demais a viagem (segue lá meu insta pra ver as fotinhas) e uns dias off, achei que já tava na hora de tirar o pó aqui do blog! Depois da série #11AnosDiRica, é hora de começar a nova, a #DiERicaEmParis, que já está no forno! A partir da semana que vem, vídeos, vlogs e muito conteúdo sobre a cidade a luz e seus arredores.

Mas vamos voltar pro assunto do post…
Há quase um ano atrás eu tive o prazer de receber aqui em casa a Luiza Potiens, fotógrafa que admiro muito e que hoje posso chamar de amiga. Além dos trabalhos por aqui, a Lu aproveitou pra fotografar meninas/mulheres lindas pro projeto que tanto gosto, o #meninaflor. Quando estávamos combinando o editorial-capa que fizemos pra edição 33 da Valentina Mag, o convite surgiu! E desde esse dia fiquei pensando se realmente toparia ou não.

Durante toda a minha adolescência fui cobrada, mesmo que de forma discreta e leve algumas vezes, a ter um comportamento ‘X’ por parte da família. “Por que você não pinta a unha?”, “Você tá parecendo um menino com essa roupa e esse gorro”, “A maquiagem tá muito chamativa”, “Se você continuar a usar essas roupas não vai cativar os meninos…”. Pois é, dá até preguiça de falar sobre isso de novo aqui no blog, mas a verdade é que participar desse projeto foi muito importante pra mim. Logo depois dele, grande parte da armadura que ainda vestia caiu e desde então venho fazendo looks do dia por aqui e nas redes sociais. Claro que achei um jeito diferentão pra fazer, mas só o fato de não me sentir mais envergonhada ao me ver em uma foto, respiro aliviada.

Por crescer cheia de dedos, de “sugestões” e cobranças machistas, desenvolvi um problema sério e chato de auto estima. Eu, que sempre fui contra estilos, assuntos e ideais que acreditava não fazer parte de mim, sempre em busca do diferente, sofri um bocado, pois acabei aceitando certos padrões que são até hoje impostos pela sociedade. Sem perceber fui absorvendo tudo e metade de mim não permitia que eu fosse feliz.

Sempre quis ter um blog, postar looks criados por mim, mostrar minhas referências, mas sempre fui podada pela maioria que estava em volta. Sempre ouvi que estava gordinha, dentuça, estranha com certa combinação de cor e peças… Enfim, aquela história que todos já devem estar cansados de ouvir, mas que infelizmente é muito comum e corriqueiro com 90% de meninas e mulheres no mundo todo.

Só de uns anos pra cá que resolvi tratar isso e dar a devida atenção, e por mais que eu trabalhe a mais de 10 anos na moda, só agora sinto que estou usando ela como sempre quis.

O mais curioso é que atualmente estou feliz comigo, com meu corpo e estilo. Na época das fotos, estava em um conflito interno que estava tirando meu sono, potencializando minha ansiedade. E por mais que eu estivesse quase 10 quilos a mais nessas fotos, estou nesse momento sorrindo de orelha a orelha, muito feliz com o resultado. Isso porque estou linda, e bem comigo mesma. O peso é meramente ilustrativo, e claro, pura chatice.

Podemos e somos lindas do jeito que quisermos. E me permitir isso foi uma das maiorias conquistas que tive nos últimos anos. Minhas melhores amigas são consideradas plus size e são tão lindas e seguras de si, que só comprova que o tamanho é apenas um ponto de vista. Preferimos agir, pensar e sentir por nós mesmas ou seguir pessoas limitadas e superficiais que não conseguem viver fora da caixa?

E com esse pensamento, acordei com o coração na boca no dia das fotos, escolhi o vestido que mais gosto, chamei a Nata Di Paula pra fazer minha make e cabelo, do jeitinho que adoro usar e pronto, me posicionei na frente das lentes da Lu. O incômodo foi indo embora aos poucos e comecei a me sentir extremamente confortável. Claro que isso também se deve ao fato da forma que a Lu trabalha, que é incrível. E seu olhar profissional, que ao meu ver, é inspirador, sempre transmitindo sentimentos através de suas fotos. Pelo menos sinto isso em praticamente todas as do projeto. Sempre me contam uma história, por mais curiosa, diferente e estranha que possa ser na minha cabeça. rs

Todas as minhas “falhas”, ou o que eu considerava falha de fato estão expostas nas fotos, porém não me incomodam mais. Afinal, só eu realmente as via. Eram nada mais do que reflexos, provenientes dos julgamentos dos outros. E quando a gente entende que nada disso importa, a felicidade vem de forma avassaladora, nos deixando leves e sorridentes.

O meu quarto serviu de cenário, estava no meio do processo da reforma (ainda nem tinha feito a porta rs), não tinha nem uma semana que tinha colocado o tecido na parede com o Rica. Estava louca pra estrear a padronagem em alguma foto e fiquei empolgada quando vi que seria com o #projetomeninaflor. Azul e verde mint são minhas cores favoritas e achei que o vestido, assim como o buquê, ornaram de forma harmônica com o restante. E como a Lu tem o gosto muito parecido com o meu, mostrei tudo pra ela antes dar o ok (nada como o olhar de uma fotógrafa, não é mesmo?).

As flores são da Varanda Flores, empresa que a Ana comanda com o maior carinho do mundo. Seu trabalho é inspirador e além de ouvir suas (seus) clientes, ela dá sugestões e monta arranjos de fazer qualquer uma (um), mesmo não sendo aficcionada (o) por flores, se apaixonar!

Depois das fotos em casa, fomos pro Jardim Botânico e finalizamos lá, no meio daquelas árvores e plantas incríveis. O look mudou, porém resolvi seguir com a cartela clara e pastel, apostando em peças nudes. Como tenho alma de parisiense, não pude deixar de colocar uma blusa listrada. rs

Como uma flor, me senti mudando, evoluindo, e no momento me vejo dentro de um processo pessoal, uma jornada que ainda não tem nada de concreto, ainda bem. Porém estou aproveitando cada minuto de descoberta e da minha nova fase.

Pra ver todas as fotos na íntegra, é só clicar aqui -> http://luizapotiens.com/dianamonteiro

Obrigada, Lu! <3



Deixe seu comentário


Nenhum comentário

@maisondadi no instagram